Águas de São Pedro cresce em nota do IEG-M do Tribunal de Contas

Publicado em Por Adelle Gebara

Realizado pelo Tribunal de Contas do estado de São Paulo, o IEG-M (Índice de Efetividade da Gestão Municipal) aponta que Águas de São Pedro evoluiu em diversas categorias, passando de C+ para B na classificação geral. Isso significa que a cidade saiu da fase de adequação para alcançar o nível de efetiva na gestão pública. O prefeito Paulo Barboza e o secretário de Saúde, João Victor Barboza, estiveram em São Paulo nessa terça-feira (10/outubro) para o lançamento da publicação da pesquisa.

As análises de todas as 644 cidades paulistas foram feitas com base nas respostas fornecidas pelos próprios municípios aos Sistema AudeSP (Divisão de Auditoria Fiscal do Estado de São Paulo). Os dados são referentes a 2016, sendo as notas do IEG-M baseadas na avaliação das áreas e educação, saúde, planejamento, gestão fiscal, meio ambiente, proteção dos cidadãos e governança da tecnologia da informação. Cada uma dessas categorias também recebeu notas, e o resultado final foi definido de acordo com elas.

Para o prefeito Paulo Barboza, o IEG-M é uma solução digital bastante interessante. “Auxilia não apenas o Tribunal de Contas em sua fiscalização, mas o próprio município, que pode de certa forma medir seus avanços na efetividade dos serviços públicos prestados”. Na opinião do secretário de Saúde, João Victor Barboza, tornar pública as informações é uma forma de promover a transparência sobre o trabalho que é realizado. “Este índice baseia-se nos dados públicos que fornecemos. Deste modo, é um incentivo à transparência. Nos orgulhamos de estar evoluindo neste sentido”.

Águas de São Pedro está com a nota A em saúde, mantendo a média conquistada o ano passado. A cidade também recebeu B+ nas áreas de planejamento e gestão fiscal; B em educação e meio ambiente; e C+ em governança da tecnologia da informação e proteção aos cidadãos. A área que mais teve evolução ao longo destes três anos foi a de gestão fiscal, passando de B (efetiva) para B+ (muito efetiva), manteve a média B a área de Meio Ambiente, e oscilaram educação (B, C, B), Proteção ao Cidadão (A, B, C+), e governança em tecnologia da informação (C+, B, C+).

O presidente do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, Sidney Estanislau Beraldo, em sua apresentação do novo material publicado afirmou sobre a importância do aperfeiçoamento da transparência frente à crise política e desconfiança da população com o setor público. “Preocupados com a transparência e o aperfeiçoamento do controle social, disponibilizamos à sociedade os resultados obtidos em São Paulo, entre 2015 e 2017, em site idealizado para facilitar a compreensão dos dados. Um aplicativo para celular gratuito também foi criado (…). Por esse mecanismo, os cidadãos ainda poderão encaminhar ao Tribunal opiniões sobre os temas abordados no IEG-M”. Estas informações estão disponíveis no site iegm.tce.sp.gov.br.

Avaliação geral – A estância saiu-se melhor que a maioria das cidades de São Paulo, pois conseguiu superar seu índice. Além de nenhuma ter recebido classificação A, grande parte regrediu em suas notas, o que fez o índice geral cair comparando-se os três anos. A avaliação geral média foi de 0,64 (em uma escala de zero a um), contra 0,65, em 2016, e 0,71, em 2015. Diante dos resultados, o presidente do TCESP destacou durante o evento de divulgação dos dados os pontos que merecem atenção especial dos gestores: planejamento e gestão fiscal.

Prefeito Paulo Barboza com o presidente do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, Sidney Estanislau Beraldo – Foto: Divulgação

Deixe um comentário abaixo