Bingo Beneficente: CDFSS se reúne e trata da organização da ação beneficente

Publicado em Por Hosana Cortenove

O Conselho Deliberativo do Fundo Social de Solidariedade (CDFSS), realizou uma reunião para tratar dos detalhes do bingo beneficente, que será realizado em prol da Creche Municipal Nelson Rosamilha, no dia 26 de março, às 14h, na Sociedade Cultural Riopedrense. A reunião foi na sala da presidente do Fundo Social, a primeira dama Vanda Defavari.

Como de costume, o Conselho de Rio das Pedras se reúne, uma vez por mês, com funções não remuneradas que são de extrema relevância para os munícipes. Atualmente, o Conselho é constituído por Vanda Defavari (presidente), Maria Inês Defavari, Aline Innocencio, Rosa Teresa Balaminut, Zenite Machado de Oliveira, Anna Maria Cavicchioli, Thereza Galvão, Eleni Defavari Cezarino e Márcia Guio.

Bingo Beneficente CDFSS se reúne e trata da organização da ação beneficente

Bingo Beneficente CDFSS se reúne e trata da organização da ação beneficente – Foto: Divulgação

A História do Fundo Social de Solidariedade

Em 27 de março de 1968, no governo Roberto Costa de Abreu Sodré, foi criado o Fundo de Assistência do Palácio do Governo – Lei n. 10.064 inicialmente, com a proposta de prestar assistência aos necessitados. Em 16 de maio de 1983, no governo André Franco Montoro, o Decreto n. 20.925 estabeleceu a nova denominação de Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo, já com uma nova proposta: prestação de apoio técnico e financeiro aos Fundos Municipais de Solidariedade dos Municípios. Para efetivar a mudança, foram levados em consideração a descentralização e o fortalecimento dos municípios nas atividades sociais.

O Fundo Social é dirigido por um Conselho Deliberativo com mandato de dois anos e recondução permitida, sob a presidência da esposa do Governador do Estado e nos Municípios pela esposa do Prefeito ou por outra pessoa de livre escolha deste.

O Fundo Social de Solidariedade exercita a solidariedade educativa, criando programas e ações visando o resgate da dignidade humana, a capacitação profissional, a geração de renda e emprego, além de buscar contribuir na melhoria da qualidade do trabalho prestado por setores municipais, como por exemplo, na aquisição de equipamentos. Para tanto, são articuladas ações e a ampliação de parcerias com a iniciativa privada, órgãos do governo e com a sociedade civil. São políticas governamentais apoiadas por empresas, comércio e sociedade em geral, que tem a consciência da responsabilidade social na contribuição para a redução das desigualdades sociais.

Deixe um comentário abaixo