Jornal “O Regional” recebe visita do senador italiano Fausto Longo

Publicado em Por Jose Guilherme Cortenove
Jornal “O Regional” recebe visita do senador italiano Fausto Longo

Jornal “O Regional” recebe visita do senador italiano Fausto Longo – Foto: Adelle Gebara

O senador italiano Fausto Longo visitou na manhã desta sexta-feira, (29), a sede do o Jornal “O Regional” em Piracicaba. Fausto Longo foi recebido pelo jornalista e diretor do periódico José Marino Malossi Argentino e contou sobre sua experiência como senador italiano e também do que pode estar trazendo de novidades para a região.

O senador enalteceu a contribuição que “O Regional” oferece no sentido de proporcionar aos leitores de várias cidades, a sensação de pertencerem a um mesmo local e de serem um povo pelo qual luta por alternativas e perspectivas melhores no futuro. Além disso, o senador relatou sobre o seu intercâmbio entre Brasil e Itália que vive atualmente: “São dois mundos totalmente diferentes em relações políticas e econômicas. Os cidadãos italianos exercem a cidadania com uma visão muito diferente do que encontramos no Brasil, por exemplo, eles têm a percepção de que as cidades são deles, como se fosse um condomínio e que os impostos que eles pagam seria uma contribuição condominial. Quando o cidadão italiano elege um prefeito, na verdade, ele elege um síndico e não transfere a responsabilidade para o prefeito ou para a Câmara dos Vereadores. É válido lembrar que, a Câmara de Vereadores é o centro do poder na Europa, isto é, a representação efetiva da cidade e da vontade popular reside nas Câmaras Municipais e conselhos comunais. São nas Câmaras que se discutem e decidem sobre o futuro da cidade e o prefeito, no caso, é um executor como se fosse um síndico, isto é, ele administra aquilo que não é dele e sim da comunidade. Isso é uma diferença que talvez fosse muito interessante em trocar com as cidades brasileiras e começar a criar uma democracia verdadeira, representativa e participativa, onde as pessoas utilizem as ferramentas, hoje, tecnológicas, para emitir suas opiniões baseadas na contribuição do que buscam futuramente e não baseadas no ódio”, afirmou o senador.

O senador atualmente tem visitado e realizado algumas palestras nas cidades da região, como, Torrinha, São Pedro, Rio das Pedras, Ipeúna, Brotas, Santa Maria da Serra e em outras diversas localidades pelas quais divulga seu conhecimento e experiência.

Ademais, Fausto Longo contou também sobre como funciona o setor de desenvolvimento cultural na Itália: “A Itália investe cerca de 7% do seu PIB (Produto Interno Bruto) em áreas de pesquisas e desenvolvimentos, por isso, é considerado um país altamente qualificado no ponto de vista tecnológico e também na produção de máquinas e equipamentos, além da credibilidade no mercado internacional para lançar novos produtos no varejo. O Brasil não possui grandes marcas com repercussão mundial. A Petrobrás, por exemplo, já foi uma marca importante, porém, a produção petrolífera é restrita e existe também a marca das Havaianas que é interessante, entretanto, o restante não possui uma margem comparativa”, falou Longo. “Uma das coisas que estamos fazendo na região é estimular a criação de eventos e empresas brasileiras, principalmente na região de Piracicaba, a qual é bastante industrializada, e demonstrar que pode existir uma conjugação de esforços entre o setor industrial italiano para criar novas empresas com a participação de italianos e empresários da região. Essa ação tem tido bastante sucesso, pois, os empresários já estão sintonizados, recebemos algumas missões empresariais na Itália para conhecer a parte de segmento em vários setores. Estamos na tentativa de fechar um acordo com a Itália na área oncológica, em conjunto com a UNICAMP (Universidade de Campinas), Universidade de Peruja e Hospital Santa Maria de Misericórdia da Peruja, na Humbra para que seja possível uma operação no hospital regional, a fim de introduzir uma unidade avançada de combate ao câncer”, completou o senador.

“Um dos principais resultados que obtivemos é que estamos produzindo um acordo com a Prefeitura de Montepulciano, com ajuda do deputado Roberto Morais, que é a questão da vitivinicultura”, contou Longo. Segundo ele, a região da Serra de São Pedro, Charqueada, Santa Maria da Serra e Serra do Itaqueri, são propícias para a produção vinícola, principalmente voltada para suco. De acordo com o senador, essas regiões oferecem muitas possibilidades por conta da amplitude térmica e do solo. “Estamos expandindo esse acordo para as demais localidades e procuramos estimular essa ideia tanto na Prefeitura de Montepulciano, consórcio Vinho Nobre de Montepulciano o qual se encontram extremamente interessadas em fazer joy ventures, quanto na Embrapa Uva, Secretaria da Agricultura e do Estado, junto também com essa frente parlamentar criada pelo deputado Roberto Morais para viabilizar a vitivinicultura”, informou o senador italiano. Essa proposta, conforme Longo oferecerá uma alternativa para as famílias de baixa renda e para que os agricultores permaneçam no campo, mas tendo um rendimento digno de suas atividades econômicas. “De cada 10 sucos tomados no mundo, seis são suco de uva e a nossa região pode tornar-se uma grande produtora”, afirmou.

Por fim, Fausto Longo explicou sobre a diferença de um político parlamentarista e presidencialista: “No Brasil temos o regime presidencialista, onde a centralidade do poder está nas mãos do presidente da república, ou seja, na mão de uma pessoa e muitas vezes para se manter é obrigado a usar práticas de convencimento para obter apoio no Congresso Nacional de formas ilícitas ou que beiram o ilícito. Já a Itália, é um país que atravessou diversas guerras  e que se encontra no contexto da União Europeia, portanto, não podem tomar decisões unilaterais sem ouvir antes o Parlamento Europeu. Isso faz com que a democracia seja madura em comparação com a do Brasil. Há um grau muito alto de participação e interesse da população na política do país europeu, pois, elegem seus próprios representantes dos quais são responsáveis tanto por eleger o Primeiro Ministro quanto para aprovar o governo”. Diferente do Brasil que um senador tem custo aproximado de R$280 a R$300mil por mês, além outros diversos direitos, os parlamentares na Itália recebem apenas R$16mil reais, com direito a somente um secretário que é pago por ele, não tem direito a apartamento funcional, carro, assessoria, telefone e gráfica, além de participarem de duas sessões três vezes por semana e dependendo do atraso tem descontos em seus vencimento, atraso de 5 minutos, desconto de 300 euros.  “É uma visão bem diferente, o parlamentar está lá para o exercício público efetivamente”, finalizou o senador italiano Fausto Longo.

O Jornalista José Marino Malossi Argentino, agradeceu a visita do parlamentar Italiano, que alias já foi vereador em Piracicaba.

“Tive o prazer de conhecer o senhor em outra oportunidade na cidade de São Pedro e até noticiar as suas visitas em algumas cidades da nossa área de cobertura, mas agora recebe-lo em nosso escritório é uma honra e nos envaidece muito. Conheço parte de sua historia e trajetória politica construída com trabalho e honestidade ao longo desses anos que certamente serve de referencia e de bom exemplo para muitos políticos brasileiros. Obrigado pela visita e por essa aula de “democracia”. Quero deixar nossas portas abertas e poder recebê-lo sempre que estiver em nossa cidade”, disse o diretor do “O Regional”.

Matéria: Adelle Gebara / Jornal O Regional

Deixe um comentário abaixo