Prefeitura encaminha projeto do novo Plano de Carreira dos Professores Brotas

Publicado em Por Hosana Cortenove

Após mais de seis meses de reuniões semanais, a comissão formada por 13 professores (representando todas as escolas municipais de Brotas), nomeados pela Portaria nº 7.189/2015 do Poder Executivo, apresentou, na quinta-feira da semana passada, dia 10, o resultado da discussão sobre o Novo Plano de Carreira dos Professores da cidade de Brotas.

Elaborado em âmbito da Secretaria Municipal da Educação e a participação pessoal do prefeito Orlando Pereira Barreto Neto, conhecido como Du Barreto (PSDB), o documento foi encaminhado no mesmo dia para a Câmara de Vereadores, que deve analisar e votar o projeto.

Debatido democraticamente, o Plano original passou por várias mudanças definidas pela comissão, fundamentando-se nos princípios da Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB, da liberdade, valorização dos profissionais da educação, gestão democrática da educação, avaliação de desempenho, ensino de qualidade, etc… Ele introduz uma série de inovações que trarão resultados altamente positivos para os docentes e alunos. Quem sairá ganhando é a Educação Municipal. Dos quase 200 profissionais da Educação na cidade, um grupo de apenas dez professores são contra o projeto, porque o mesmo contraria interesses pessoais.

Para continuar a constante motivação aos professores com relação à formação continuada, a escala de referências será aumentada de 13 para 17. Cada referência é conquistada com o estudo de 300 horas de cursos de qualificação, e significa um aumento no salário do professor.

Os professores terão direito a até quatro faltas abonadas por ano. Isso permitirá que eles se programem e possam avisar a escola com uma antecedência de 48h (a tempo para chamar um substituto e não prejudicar os alunos). A grande novidade é que o novo Plano de Carreira terá um mecanismo de premiação para os professores que menos faltarem, com pontos extras no final do ano para escolha de classe e atribuições de aulas.

Outro ponto positivo será a eleição dos diretores e coordenadores pelos professores de cada escola. Busca-se escolher, democraticamente, os melhores profissionais da rede para essas funções. A lei prevê que os candidatos façam um plano de trabalho de quatro anos, o que garante a estabilidade dos escolhidos. Essa é uma maneira de evitar a alternância política de diretores e coordenadores. No passado, esse tipo de prática prejudicou o bom andamento da Educação e fez o Ideb de Brotas baixar de 6,1 para 5,4. Esse novo mecanismo busca também formar uma equipe de gestores cada vez mais preparados, através de formações específicas, o que não aconteceu até agora na Rede Municipal.

Os coordenadores e os diretores farão a avaliação de desempenho dos professores, com o objetivo de promover o desenvolvimento profissional de cada um que necessitar. Assim, os profissionais que mais se destacarem serão premiados e os de menor desempenho serão orientados, conforme cada caso. Os professores também avaliarão o desempenho da direção da escola no geral e da coordenação pedagógica.

É a primeira vez que este sistema será adotado, uma vitória de toda classe educacional. A grande preocupação do Plano de Carreira é garantir a qualidade na Educação, valorizando os profissionais com conhecimento, salário e gestão democrática.

Para o professor evoluir na carreira, precisa fazer cursos de qualificação profissional. Para evitar que qualquer tipo de curso seja usado para promoção profissional, o novo Plano de Carreira será mais rigoroso na escolha dos cursos de qualidade. O professor poderá requerer qual o curso e a Secretaria de Educação indicar, sendo que em ambos os casos os mesmos terão que passar pela aprovação da Equipe Pedagógica, formada pelos coordenadores escolares pedagógicos eleitos.

O novo Plano de Carreira cria a classe de “Doutorado”, que atualmente não existe. O professor que, através de estudos, atingir a nova classe de Doutorado terá uma compensação financeira no salário. O objetivo é estimular os profissionais da educação à níveis mais elevados para, consequentemente, transmitir os benefícios deste conhecimento aos alunos. Este processo positivo premia o professor de um lado e o aluno de outro. Tudo isso são mecanismos de incentivo à qualidade para a Educação.

Deixe um comentário abaixo