Projeto do Sesc nacional, Sonora Brasil acontece entre 11 e 14 de outubro em Piracicaba

Publicado em Por Diagramador
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Cantos são entoados durante o trabalho, normalmente vinculado ao alívio do desgaste físico e aumento da produtividade, bem como pode servir para externar o lamento e a crítica. Nas diferentes regiões do país, esses cantos são conhecidos por diferentes nomes.

No Sonora Brasil de 2016, projeto musical de circulação nacional promovido pelo Departamento Nacional do Sesc, o tema Sonoros Ofícios – Cantos de Trabalho apresenta as Cantadeiras do Sisal e Aboiadores de Valente da Bahia, Destaladeiras de Fumo de Arapiraca de Alagoas, Quebradeiras de Coco de Babaçu do Maranhão e Ilumiara de Minas Gerais.

O Sonora Brasil é um projeto de circulação nacional e tem como objetivo difundir expressões musicais identificadas com o desenvolvimento histórico da música no Brasil. O projeto chega a 19º edição e passa pela cidade de Piracicaba entre os dias 11 e 14 de outubro, com apresentações sempre às 20h, no Teatro. Os ingressos são gratuitos e devem ser retirados com uma hora de antecedência.

Cantadeiras do Sisal e Aboiadores de Valente (BA) será a apresentação da terça (11/10), às 20h, e traz os cantos da cidade de Valente, situada a 240 quilômetros de Salvador, na principal região produtora de sisal do país, planta que é transformada, principalmente, em fibras e cordas, mas também em tapetes e outros produtos. Na região também se concentram fazendas dedicadas à agropecuária bovina e caprina, o que justifica a presença de aboiadores.

Destaladeiras de Fumo de Arapiraca é um grupo formado por cinco mulheres da zona rural do agreste alagoano, e Nelson Rosa, mestre de coco de roda reconhecido como patrimônio vivo do estado de Alagoas e se apresentam em 12 de outubro, às 16h. Com o cultivo de fumo como principal atividade, as mulheres trabalhavam horas a fio sentadas no chão nos salões de fumo, destalando e selecionando as folhas ao som de cantigas entoadas para espantar o sono durante as madrugadas.

Quebradeiras de Coco de Babaçu, formado por oito mulheres que trabalham na quebra do coco babaçu desde a infância e que hoje também exercem o importante papel de liderança na defesa e valorização do trabalho das quebradeiras, se apresentam na quinta de 13 de outubro, às 20h.

E na sexta (14/10), às 20h, Ilumiara, formado por cinco músicos de Belo Horizonte, interpretem vissungos, cantigas de ninas e canto de lavadeiras e no espetáculo a contextualização histórico-social dos cantos de trabalho no Brasil.

Deixe um comentário abaixo