Ronaldo Gasparelo usa tribuna da Câmara para falar sobre ações iniciais a frente do executivo de Torrinha

Publicado em Por Jose Guilherme Cortenove

O prefeito de Torrinha, Ronaldo Gasparelo (PV), esteve na Câmara Municipal, nesta terça-feira, (7), quando foi realizada a primeira sessão ordinária do ano, onde falou sobre diversos assuntos, entre eles a situação financeira da cidade, encontrada no dia 01 de janeiro, quando assumiu a prefeitura.

Ronaldo Gasparelo iniciou sua fala destacando que o ato de comparecer a sessão camararia visa dar mais transparência aos atos de seu governo e falou sobre a situação financeira que encontrou a prefeitura.

“Estou muito feliz de estar presente nessa primeira sessão ordinária de nosso Poder Legislativo, dando transparência aos atos do nosso governo, apresentando ações e poder explanar sobre alguns assuntos. No dia da posse foi nos apresenta um saldo de R$ 4.651,93 em dinheiro nos cofres públicos e em depósitos o saldo de R$ 40.203,78, mais não nos foi passado que tinham empenhados R$ 480.467,45 e em convênios R$ 1.216.038,04, totalizando 1.697.505,49. Quanto aos convênios sabemos que serão posteriormente liberados, conforme a execução das obras, mais o que nos causou estranheza foram os R$ 480.467,45 que ficaram empenhados e que nós pagamos nos primeiros dias de janeiro, que são referente a FGTS e INSS dos meses de novembro e dezembro, várias notas fiscais de combustíveis, imprensa oficial, contas de energia elétrica.  Já pagamos mais de R$ 400 mil e o que arrecadamos ainda não foi suficiente para zerar. Esses recursos poderiam ter sido investidos em outras áreas, como limpeza, contratação de médicos, por exemplo. Estamos honrando com todos os pagamentos, diferente de outras prefeituras da região, que mesmo tendo restos a pagar e receita em caixa, acabaram não pagando”, explicou o prefeito Ronaldo Gasparelo.

Gasparelo informou que há credores procurando a prefeitura e explicou a situação.

“Temos também credores nos procurando, relatando casos de prestação de serviços, que não foram emitidos notas fiscais e como não foram emitidas, nem empenhadas, não conseguimos pagar essas despesas. Temos uma condenação de mais de R$ 81 mil, por erro na aplicação de transporte escolar, referente ao ano de 2016 e mais uma de mais de R$ 30 mil, infelizmente temos essa questão”, relatou.

Em seguida, o prefeito falou sobre as obras das galerias, explicando que há divergências nos projetos, o que a administração vem procurando resolver.

“As obras das galerias foram iniciadas num período não muito adequado, conforme já disse a própria empresa. Existem três projetos divergentes, a Stavias tem um projeto, na prefeitura outro e na Caixa Federal um terceiro projeto, todos diferentes. Na primeira semana de governo fomos à Caixa Econômica Federal, onde pleiteamos os documentos, mas ainda não recebemos. Precisamos resolver essa questão, acertando essas divergências”, disse.

Ronaldo Gasparelo citou ainda outras obras, como a Creche Escola e o Centro do Idoso, que estão registrando problemas, por divergências na execução ou falta de documentação.

“Estamos aguardando as documentações referentes a Creche Escola e não temos sequer as chaves do predio para que possamos fazer uma vistoria. Há diversas divergências entre o projeto e a planilha. Não existe rampa de acesso, há divergências quanto a caixa de água que tem oito metros e deveria ter onze de acordo com o projeto. A entrada de energia e agua divergem também. No centro do idoso observamos que o telhado tem avarias. Há divergências quanto ao piso contemplado no projeto e o que foi executado, pois foi feito piso frio e foi licitado Paviflex. As medidas dos granitos são diferentes, porque o projeto prevê três centímetros de espessura e foram instalados com dois centímetros. Há também divergência da cor, que deve ser amarela e foi pintado de azul. Foi pago mais do que o executado, de acordo com o que apuramos”, destacou o prefeito.

Ronaldo Gasparelo usa tribuna da Câmara para falar sobre ações iniciais a frente do executivo de Torrinha

Ronaldo Gasparelo usa tribuna da Câmara para falar sobre ações iniciais a frente do executivo de Torrinha – Foto: José Marino

O prefeito prosseguiu ainda explicando outras obras que estão com problemas.

“A Academia da Saúde do Coleta, está chovendo dentro do prédio, faltam equipamentos e iluminação. O Centro de Fisioterapia não tem água e esgoto, surgiu essa semana uma trinca na Laje de ponta a ponta do prédio, a planilha de medição não bate. Na Praça da Juventude a medição está maior do que foi executado e estamos aguardando a documentação da Caixa Federal para verificarmos como resolver. Foi executado recapeamento asfáltico em diversas vias, mais para fechar o convênio é necessário a execução de calçadas e como não foram feitas, precisamos fazer isso para fechar o convênio. Os contratos de execução de calçadas foram em sua maioria cancelados. Temos um convênio do Clube da Terceira Idade que não foi feito a prestação de contas desde 2009 e sabemos que o local encontra-se em estado vergonhoso. É desumano com as pessoas que trabalhavam lá, a obra está lá para quem quiser visitar”, detalhou o prefeito torrinhense.

Gasparelo finalizou convidando os vereadores para visitarem as obras, destacando que sua administração pretende ser muito transparente.

“Proponho que façamos uma visita a esses prédios, para que todos saibam o que realmente aconteceu e está acontecendo, para que todos saibam sobre cada obra em andamento em nosso município. Queremos ser transparentes. Estamos fazendo pregões, como é o caso do Carnaval. E estamos a disposição, porque nosso objetivo é fazer uma cidade melhor para todos”, finalizou o prefeito torrinhense.

Deixe um comentário abaixo