Secretário estadual de Energia apresenta modelo para tratamento de resíduos sólidos urbanos na Aglomeração Urbana de Piracicaba

Publicado em Por Jose Guilherme Cortenove

Coleta, tratamento e aproveitamento energético dos resíduos sólidos é um desafio para qualquer cidade. Em regiões fortemente urbanizadas esse tema ganha mais relevância por ter uma produção ainda maior de resíduos e poucas áreas para descarte.

Nesta segunda-feira, o secretário estadual de Energia e Mineração, João Carlos Meirelles, apresentou as ações necessárias para que aglomerações como a de Piracicaba, que conta com 23 municípios, tenham uma gestão eficiente de coleta e tratamento dos resíduos sólidos urbanos.

“Nos dias de hoje, não existe governo que tenha recursos para suprir todas as suas necessidades. Por isso, é fundamental que a iniciativa privada seja chamada a participar com a coleta, instalação de usinas de tratamento e produção de gás. Piracicaba é um exemplo que já conta com uma usina”, disse.
Segundo Meirelles o trabalho conjunto dos prefeitos é fundamental para o sucesso do projeto. “No Brasil não temos a figura do condado, que traz um regime jurídico e econômico comum às cidades do entorno. Na aglomeração temos que trabalhar em conjunto para vencer o desafio do lixo, que é fundamental para o Estado de São Paulo, que conta com 96% de população urbana”, destacou.

Durante o evento foram eleitos os novos presidente e vice da AUP – Aglomeração Urbana de Piracicaba. O prefeito de Piracicaba, Barjas Negri, será o presidente pelos próximos dois anos, tendo o prefeito de Elias Fausto, Maurício Bernardinetti, como vice.

Secretário estadual de Energia apresenta modelo para tratamento de resíduos sólidos urbanos na Aglomeração Urbana de Piracicaba

Secretário estadual de Energia apresenta modelo para tratamento de resíduos sólidos urbanos na Aglomeração Urbana de Piracicaba – Foto: Divulgação

A AUP criou a Câmara Temática de Resíduos Sólidos, presidida pela Emplasa, que irá elaborar um plano de trabalho a ser apresentado na próxima reunião para aprimorar o trabalho de coleta e tratamento dos resíduos.

O Brasil produz cerca de 200 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (lixo) por dia. Deste total, uma média de 27 mil toneladas são recolhidas diariamente das residências do Estado de São Paulo.

O Estado de São Paulo possui atualmente potência instalada de 70 MW a partir de biogás de aterros sanitários. Caso fosse totalmente aproveitado, estima-se que o potencial de geração de energia de todo o lixo seria suficiente para abastecer em 30% a demanda de energia elétrica atual do Brasil.
Piracicaba conta com a empresa Ecoparque de Piracicaba, primeira PPP do Brasil voltada para a destinação e tratamento de resíduos orgânicos e inorgânicos.
Em operação desde 2015, a empresa é formada pelo consórcio Enob – Engenharia Ambiental Ltda. e Kuttner GMBH & CO.KG, e contou com investimento de R$ 250 milhões, cuja central tem capacidade de tratar e transformar em biogás e CDR (Combustível Derivado de Resíduo), até 2.000 toneladas de lixo/dia (Piracicaba produz 400 toneladas de lixo por dia).

Além da coleta de resíduos domésticos, a empresa promove o recolhimento da coleta seletiva (expandida para 100 % da área urbana e planos para a área rural), além do serviço de recolhimento de inservíveis Cata Cacareco e varrição de vias públicas, sacolões, praças e jardins.

Com o funcionamento da usina, a prefeitura deixou de aportar cerca de R$ 1,2 milhão mensais para enviar o lixo de Piracicaba à Paulínia e, com isso, as atividades do antigo Aterro do Pau Queimado foram encerradas.

Deixe um comentário abaixo