“Cidades Sustentáveis” foi tema de discussão na Escola do Legislativo

Publicado em Por Diagramador

O evento desenvolvido pela Escola do Legislativo e dirigido pela vereadora Nancy Thame (PSDB), denominado “Pensando o Território” discutiu, nesta terça-feira, (31), o tema “Cidades Sustentáveis”, com um objetivo de transformar os municípios em cidades mais sustentáveis e democráticas.

A professora e palestrante Renata Silva Bueno, conceituou o que é uma cidade sustentável. “São aquelas que gerem suas políticas públicas tendo em mente a preservação do meio ambiente e o uso consciente dos recursos naturais”, avalia. “Tem que pensar não apenas sobre hoje, mas para frente; age hoje, pensando no futuro”, completou. Ao comentar as legislações existentes, lembrou-se do Estatuto da Cidade, o qual reconhece como “ato de improbidade” que o gestor público deixe de viabilizar a participação da população nas tomadas de decisões do espaço público.

““Cidades Sustentáveis” foi tema de discussão na Escola do Legislativo” – Foto: Divulgação

Já para a professora da FUMEP/EEP, arquiteta e urbanista, Camila Moreno, o conceito de Cidades Sustentáveis é discutido a partir de inúmeros temas: mobilidade, resíduos sólidos, gestão dos recursos hídricos, serviços públicos, infraestrutura urbana, entre outros. “Estou convicta de que não é por falta de aparato legal que a gente não avance nestas questões. Com os planos diretores e Estatuto da Cidade, temos arsenal jurídico e instrumentos urbanísticos que podem desenvolver maior equilíbrio urbano”, disse a arquiteta. Ela criticou a ocupação sob as perspectivas dos vazios urbanos, que levam a população mais pobre a residir em zonas distantes de serviços públicos que por conta disso, acabam ficando sem direitos garantidos e destacou que o perímetro urbano de Piracicaba conta com 54% da área constituída por vazio urbano.

Renato Morgado, especialista em políticas de transparência e participação social, representou o Observatório Cidadão e defendeu que há importantes instrumentos de interação da população com as esferas de decisão política. Ele lembrou o importante papel dos conselhos municipais, conferências, consultas públicas e orçamento participativo. Além do mais, Morgado enfatizou o fato de que o Brasil foi “inventivo” na criação de espaços de participação política, o que se tornou referência em países da América Latina e também dos Estados Unidos. Ademais, Morgado mencionou sobre o auxilio da tecnologia como forma de aproximar os anseios da sociedade ao poder público. “Temos que potencializar isso, cada vez mais, não quer dizer que resolver todos os problemas, mas pode facilitar nesta interação”, disse, ao citar aplicativos em que o cidadão pode enviar demandas diretas ao Executivo.

Rosa Maria Moraes destacou a atuação do Oscip Pira 21, que, desde 1999, se organiza em Piracicaba junto de empresas privadas e publicas com o objetivo de fomentar o desenvolvimento sustentável em Piracicaba. Ela lembrou que o lema do Pira 21 é “pensar globalmente e agir localmente”, com o objetivo de atender as diversas demandas de sustentabilidade do Planeta.

Por fim, a vereadora Nancy Thame (PSDB) falou sobre a importância de transformar a Câmara de Vereadores de Piracicaba em um espaço de ampla discussão sobre assuntos “tão pertinentes quanto à sustentabilidade”.

Matéria: Adelle Gebara/Jornal O Regional

Deixe um comentário abaixo