Feriados nacionais devem causar perda cerca de R$ 375,3 milhões na região

Publicado em Por Jose Guilherme Cortenove

 

O comércio varejista na região de Campinas, que engloba Piracicaba, deve perder cerca de R$ 375,3 milhões em 2018 por conta dos feriados nacionais e pontes, segundo estimativas da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Esse montante é aproximadamente 14% superior ao dado projetado em 2017. É importante salientar que o número de feriados e pontes em 2018 será o mesmo de 2017, 15. Portanto, esse aumento é motivado exclusivamente pela melhora da estimativa de crescimento nas vendas do comércio para este ano.

O segmento de ‘Supermercados’ deve ser o que mais deixará de faturar, em torno de R$ 167,4 milhões, prejuízo 13% maior em relação a 2017, correspondendo a 45% das perdas totais da região. No entanto, o segmento de ‘Farmácias e perfumarias’ terá a maior variação do prejuízo, aproximadamente 21% acima do estimado para 2017, com perdas de R$ 50,4 milhões.

Para as demais atividades, as projeções também são de prejuízo: outras atividades (de R$ 105,6 milhões, crescimento de 11% na comparação com 2017); Lojas de vestuários, tecidos e calçados (de R$ 42,3 milhões, montante 17% acima de 2017); e Lojas de móveis e decoração (de R$ 9,6 milhões, crescimento de 20% sobre o ano anterior).

Nos cálculos, a FecomercioSP se limitou aos feriados nacionais e setores passíveis de sofrerem uma redução no ritmo de vendas, em que a compra por impulso é relevante, uma vez que os produtos, em grande parte, têm um valor unitário mais baixo, como o setor de roupas e calçados, perfumarias e cosméticos etc. Além disso, está sendo considerado que apenas uma parcela pequena das vendas nos feriados e pontes sejam afetadas, e não o faturamento do dia todo. Cada feriado é ponderado de acordo com o tamanho do comércio daquele mês de referência.

Destaca-se também que a Copa do Mundo será realizada entre os meses de junho e julho, e o Brasil jogará em dias de semana, como quarta e sexta-feira. Porém, o estudo não considera esses dias por haver diferenças de políticas entre as empresas, podendo ou não liberar os funcionários por tempo parcial ou total.

Até novembro passado, as pequenas e médias empresas (cerca de 80% do total) apresentavam grande dificuldade para abrir nesses feriados. Muitas delas optavam por não abrir devido aos custos trabalhistas e de funcionamento não cobrirem o faturamento daquele dia.

A FecomercioSP entende que a nova legislação facilitará essa decisão, ou seja, haverá a negociação entre empregado e empregador sobre a possível abertura. Além disso, caso seja um feriado importante para uma determinada atividade, pode-se utilizar do novo modelo de contrato intermitente.

Os números são referentes às seguintes cidades: Águas de São Pedro • Americana • Araras • Artur Nogueira • Campinas • Capivari • Charqueada • Cordeirópolis • Cosmópolis • Elias Fausto • Indaiatuba • Iracemápolis • Leme • Limeira • Mombuca • Monte Mor • Nova Odessa • Paulínia • Piracicaba • Rafard • Rio Das Pedras • Santa Bárbara D’oeste • Santa Cruz Da Conceição • Santa Maria Da Serra • São Pedro • Sumaré • Valinhos • Engenheiro Coelho • Hortolândia • Saltinho.

Segundo as estimativas da FecomercioSP, o comércio varejista do Estado de São Paulo deve perder R$ 4,6 bilhões em 2018, em decorrência dos feriados nacionais e pontes. Esse montante é 16% superior ao dado projetado em 2017.

O segmento de Supermercados deverá ser o mais prejudicado, perdendo em torno de R$ 2,1 bilhões, prejuízo 14% maior em relação a 2017, correspondendo a 47% das perdas do montante total.

Os segmentos que devem apresentar as maiores variações serão Lojas de móveis e decoração e Lojas de vestuário, tecidos e calçados, ambos com um prejuízo estimado 24% maior que o de 2017.

Deixe um comentário abaixo